Jornais

Newsletter

cadastre-se para receber novidades

QUEREM ACABAR COM SUA APOSENTADORIA! REAJA!

Publicado em: 2019-02-19

A gestão Jair Bolsonaro mal começou e já mirou o direito à aposentadoria. Em uma de suas primeiras ações, o “mito” impôs ao povo a Medida Provisória (MP) 871/2019 que ataca a aposentadoria de um dos setores mais vulneráveis da sociedade, os agricultores familiares que ganham salário mínimo. Por outro lado, a MP protege as aposentadorias milionárias, os sonegadores e beneficia instituições financeiras.

ELES QUEREM QUE VOCÊ PAGUE A CONTA!
É por esta e outras medidas já prometidas por Bolsonaro que as centrais sindicais seguem em campanha permanente em defesa da aposentadoria. E, a exemplo de abril de 2017, quando o movimento sindical mobilizou mais de 40 milhões de trabalhadores e trabalhadoras, é que as centrais voltam a alertar: a proposta de Bolsonaro é pior do que a de Temer e significa, na prática, o fim da aposentadoria digna do povo brasileiro.

Nossa luta é por uma Previdência Social pública, universal, com valorização real, sem privilégios e que amplie a proteção social para quem mais precisa deste sistema!

VOCÊ SABIA?
Os devedores da Previdência são os grandes empresários, que acumularam uma dívida até 2015 de R$ 374,9 bilhões, mais do que o dobro do suposto rombo (R$ 149 bi) que o governo justifica para fazer a reforma. Somente com desonerações e renúncias foram mais de R$ 283 bilhões que deixaram de entrar nos cofres da seguridade.

QUEREM DEIXAR SEU FUTURO NA MÃO DOS BANCOS
Antes mesmo de assumir o mandato, o presidente eleito Jair Bolsonaro já mostra a que veio. Ele e Paulo Guedes, que é o homem do mercado financeiro, têm interesses que a reforma da Previdência saia urgentemente. Sem diálogo com o povo, Bolsonaro e seus apoiadores defendem um modelo de capitalização (privado) com contas individuais, que substituiria o atual sistema de repartição, financiado de modo tripartite, ou seja, que conta com a participação do Estado, empresas e trabalhadores. Assim, bancos, seguradoras e até fundos de pensão de estatais irão administrar - da forma como acharem melhor - a poupança individual dos trabalhadores e trabalhadoras. Dadas as diferentes realidades, reformas foram aplicadas no Chile, México e Argentina há alguns anos e resultaram na falta de recursos para os mais pobres, gerando maior desigualdade social e uma crise profunda nesses países.

ENTENDA ISSO NO BRASIL

PREVIDÊNCIA PÚBLICA ATUAL
Quem contribui 35 anos com R$ 76,32 recebe
uma aposentadoria mensal de R$ 954,00

PREVIDÊNCIA PRIVADA
Quem contribuir 35 anos com R$ 76,32 recebe
uma pensão mensal de R$ 224,95

VEJA COM QUEM A MALDADE SERÁ MAIOR
Caso Bolsonaro siga as mesmas ideias da reforma da Previdência do governo Temer, saiba como isso afetará os trabalhadores

MULHERES: As mulheres têm o direito à aposentadoria diferenciada devido às condições
que lhe são impostas na sociedade. Elas recebem menos; trabalham, em média, cinco horas a mais do que os homens; e são as principais responsáveis pela educação do filho. Bolsonaro já fez inúmeras declarações desconsiderando isso.

RURAIS: O debate sobre essa questão ainda está em aberto. Mas sabemos que uma proposta mais agressiva, como a que tem sido discutida por Bolsonaro e seus apoiadores no último período, pode mudar radicalmente as regras para os rurais,
pois o novo governo pode aumentar o tempo de contribuição, a idade mínima ou, ainda, mudar a forma de contribuição desses trabalhadores. Se isso acontecer, a pobreza no campo aumentará, assim como a migração de trabalhadores/as, que buscarão oportunidades em outros lugares.

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: Querem acabar com o Benefício de Prestação Continuada (BCP) que é pago às pessoas idosas e com deficiência de famílias pobres. Além de aumentar a idade para receber e diminuir o valor pago, sendo inferior ao salário mínimo.

PENSÃO POR MORTE: No caso das pensões, não será mais possível acumular pensão por morte e aposentadoria, considerando que a maioria das pessoas recebem apenas um salário mínimo por benefício. Terão de escolher um dos dois.

APOSENTADORIA ESPECIAL: Concedida aos trabalhadores que atuam em atividades
prejudiciais à saúde, o benefício também pode sofrer mudanças. Hoje essa aposentadoria pode ser solicitada com 15, 20 ou 25 anos de contribuição, dependendo da função exercida. Muitos trabalhadores serão afetados com essas mudanças. Os professores, por exemplo, que exercem atividades penosas reconhecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), também podem ser afetados radicalmente
pelas novas regras.

SERVIDORES: Já foi feita uma reforma da Previdência para os servidores, quando já alterou a idade para acesso, mas querem arrochar, mais uma vez, as regras para os servidores federais e também os estaduais, já que os estados devem acompanhar a decisão da União.

Fonte: Jornal Especial das Centrais Sindicais