Jornais

Newsletter

cadastre-se para receber novidades

DE NOVO: PREÇO DO BOTIJÃO DE GÁS SOBE 8,5% A PARTIR DESTA TERÇA (6)

Publicado em: 2018-11-06

O preço do botijão de gás de cozinha tem novo reajuste nas refinarias a partir desta terça (6). A Petrobras elevará em 8,5% o preço médio do botijão de 13 kg, passando de R$ 23,10 para 25,07 reais, informou a companhia em comunicado divulgado pela agência Reuters.

Segundo a estatal, o aumento ocorre principalmente devido a desvalorização do real frente ao dólar e a elevações nas cotações internacionais do GLP. O último reajuste foi no mês de julho.

O valor do botijão vendido às distribuidoras não é o único determinante do preço final ao consumidor. Além de terem liberdade para praticar preços, as distribuidoras devem ainda incorporar o valor de impostos e outros custos.

Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), os consumidores pagaram em média R$ 68,59 pelo botijão de 13 kg na semana passada. Na semana anterior, esse valor havia ficado em R$ 68,34.

Vale lembrar que o lastreamento do gás aos valores internacionais faz parte da nova política de preços da Petrobras adotada no ano passado e que vem penalizando a população mais pobre com preços exorbitantes para o gás.

Também é decorrência desta mesma política de preços a alta nos valores dos combustíveis que, em maio, gerou protestos de caminhoneiros e uma greve nacional que paralisou o país.

Dieese

Em recente nota técnica, o Dieese destaca que a nova política de preços da Petrobras ignora a resolução 4 de 2005, do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que orienta o uso de preços diferenciados para esse produto devido ao impacto social que tem, já que afeta sobretudo a população mais pobre.

Diz a resolução do CNPE: “É de interesse para a política energética nacional a prática de preços diferenciados de gás liquefeito de petróleo (GLP), destinado exclusivamente a uso doméstico em recipientes transportáveis de capacidade de até 13kg, pois tem elevado impacto social, posto que seu custo de aquisição afeta a parcela da população brasileira com menor poder aquisitivo”.

Fonte: Portal CTB com agências